academia apostas

academia apostas – cxne39.com Atualizado diariamente com notícias brasileiras, notícias esportivas, informações sobre cassinos, jogos de azar e dicas para ganhar dinheiro

apostas

Resultados do varejo em 2023 mostram efeito ruim dos juros altos

da fluminense-pi: A cada trimestre de 2023 foi possível verificar os efeitos perversos que as taxas de juros (puxadas pela Selic, definida pelo Banco Central) vêm causando aos resultados das empresas brasileiras. Isso impacta principalmente os empreendimentos que demandam capital de giro e de investimentos para as operações normais e para o crescimento de suas atividades.

da bingo jogo: O indicador apropriado para explicitar essa situação de dificuldade é a chamada DVA (demonstração do valor adicionado). A DVA deixa explícita, de maneira didática, a destinação dos resultados a serem distribuídos aos principais “stakeholders” das empresas:

publicidade

  • pessoal (os profissionais empregados);
  • impostos, taxas e contribuições (governos federal, estaduais e municipais);
  • remuneração de capitais de terceiros (rentistas: instituições financeiras e locadores de bens móveis e imóveis);
  • remuneração de capitais próprios (resultado líquido destinado aos acionistas das empresas).

Nos dados a seguir, em forma de infográficos, está compilada a demonstração do valor adicionado das empresas do varejo brasileiro de capital aberto que publicaram recentemente as demonstrações financeiras (contábeis) do exercício findo em 31 de dezembro de 2023, comparadas aos exercícios findos em 31 de dezembro de anos anteriores (2020, 2021 e 2022).

É importante chamar a atenção para os seguintes dados mais importantes:

  • receitas líquidas: crescimento de 6% decorrente basicamente da inflação anual. As receitas de novas lojas têm sido subtraídas das receitas de lojas que vêm sendo fechadas, principalmente em decorrência das altas taxas de juros e da concorrência desleal e desigual das plataformas (“cross borders”), uma questão que o IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo) e outras entidades da indústria e do comércio vêm clamando por uma solução tributária aos poderes Executivo e Legislativo, sem solução até agora;
  • pessoal: apesar do fechamento de lojas, o setor de varejo vem mantendo uma participação equilibrada do valor adicionado a distribuir em torno de 36% (em 2023 e em 2022);
  • impostos, taxas e contribuições – o setor tem sustentado a participação de 32% em 2023 e em 2022, muito próxima da distribuição do valor aos profissionais empregados;
  • remuneração de capitais de terceiros: este é o item mais gravoso da DVA das empresas. Observa-se que de um patamar de 18% da DVA em 2020 e 2021, o valor da remuneração de capitais de terceiros salta para níveis insuportáveis: sai de 27% em 2022 e chega a 34% em 2023. Em 2020 e 2021, antes do aumento exorbitante da taxa de juros no Brasil, o valor da remuneração de capitais de terceiros correspondia a 18% do valor adicionado distribuído. Em 2022 e 2023, esse percentual pulou para 27% e 31%, respectivamente. De novo, simplesmente insuportável;
  • remuneração de capitais próprios: o varejo, mundialmente, apresenta taxas de remuneração baixas, decorrentes da própria atividade, da competição e da busca pelos clientes das melhores condições de preço, além dos demais fatores inerentes à atividade: atendimento, localização, facilidades e outros.

Ocorre que, com os atuais níveis da taxa de juros no Brasil, a remuneração de capitais próprios (o lucro dos acionistas) cai de 2,5% positivos do VAT em 2021 para 1% positivos em 2022 e para MENOS 0,3% em 2023, apresentando um resultado negativo de R$ 1,5 bilhão (PREJUÍZO) consolidado.

A avaliação que constantemente é apresentada pelos agentes econômicos e financeiros brasileiros é que essa situação é insustentável e está trazendo, além de grandes prejuízos às empresas, a falta de confiança e de recursos para novos investimentos. Esse cenário provoca baixo crescimento do varejo brasileiro, agravado pela concorrência desleal das plataformas estrangeiras no campo tributário.

Em nome do crescimento e da sustentabilidade do varejo e da indústria, dos empregos deles decorrentes e da arrecadação de impostos tão necessária para o equilíbrio das contas do Estado brasileiro, urgem mudanças o mais brevemente possível. Não dá mais para adiar.