academia apostas

academia apostas – cxne39.com Atualizado diariamente com notícias brasileiras, notícias esportivas, informações sobre cassinos, jogos de azar e dicas para ganhar dinheiro

apostas

mundo


Descrição de chapéu

da cassinos online brasil infinity bet casino: Expressa as ideias do autor e defende sua interpretação dos fatos​

Yu Peng China e Brasil, uma parceria voltada para um futuro compartilhado e um mundo melhor Em um contexto de turbulência e mudança, os dois países sempre foram os guardiões da paz e estabilidade mundial

  • benefício do assinante

    Você tem 7 acessos por dia para dar de presente. Qualquer pessoa que não é assinante poderá ler.

    benefício do assinante

    Assinantes podem liberar 7 acessos por dia para conteúdos da Folha.

    Já é assinante? Faça seu login ASSINE A FOLHA

    • Copiar link
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

10.mai.2024 às 11h25

  • Ouvir o texto

Yu Peng

Cônsul-geral da China em São Paulo

“Sob a mesma Lua e na mesma Terra, os seres humanos sempre compartilharam o futuro.” Este poema chinês, escrito há mil anos, revelou a verdade imutável das eras.

No fim de 2023, a Conferência de Trabalho de Relações Exteriores, realizada em Pequim, deixou claro o eixo central do trabalho diplomático da China: construir uma comunidade com futuro compartilhado para a humanidade. Com isso, ela também estabeleceu o grandioso objetivo a ser perseguido pela diplomacia de um grande país com características chinesas. “Ninguém é uma ilha isolada, todos fazem parte de um vasto continente.”. Na atual era da globalização, a humanidade se mostra ainda mais como uma comunidade que prospera e sofre em conjunto.

Já em 2013, o Presidente Xi Jinping apresentou a iniciativa de construir uma comunidade com futuro compartilhado para a humanidade, introduzindo a visão chinesa sobre a governança global, bem como sobre qual tipo de mundo a ser construído e como construí-lo.

Hoje, a construção de uma comunidade com futuro compartilhado para a humanidade já evoluiu de uma iniciativa chinesa para um consenso internacional e já se desenvolveu de apenas uma bela visão para uma realização prática. Do bilateral ao multilateral, do regional ao global, da saúde à internet e aos oceanos, a China construiu uma comunidade com futuro compartilhado para a humanidade com dezenas de países e regiões em diversas áreas. A comunidade com futuro compartilhdo foi incluída nas resoluções da Assembleia Geral das Nações Unidas, bem como nas resoluções e declarações da Organização de Cooperação de Xangai (SCO), dos Brics e de outras organizações em múltiplas ocasiões.

No início deste ano, o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, visitou com sucesso o Brasil por ocasião do 50º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas entre a China e o Brasil. Ele se reuniu com o presidente Lula e outras altas autoridades brasileiras para apresentar o objetivo de construir uma comunidade com futuro compartilhado entre a China e Brasil, o que é de grande importância para proteger os interesses comuns dos países em desenvolvimento e responder de forma mais eficaz aos desafios globais. A construção de uma comunidade com futuro compartilhado entre a China e o Brasil se mostra como um terreno bastante fértil, com potencial de desenvolvimento considerável e perspectivas brilhantes de cooperação.

Aprofundar a cooperação prática e construir o modelo de um novo e positivo tipo de relações entre grandes países. A China e o Brasil têm enormes complementaridades em termos de recursos, estrutura industrial de consumo. A carne bovina, o café, a soja, o milho e diversos outros produtos agrícolas brasileiros de alta qualidade atravessaram o oceano e enriqueceram a mesa dos chineses.

A nova tecnologia energética da China contribuiu para o desenvolvimento verde e sustentável do Brasil, e ambos os países se tornaram intrinsecamente ligados, como resultado do aprofundamento da cooperação pragmática inclusiva e aberta a todos. Ambos são países em desenvolvimento, tendo como objetivos comuns a redução da desigualdade entre ricos e pobres, a reestruturação e modernização industriais, bem como economias verdes e de baixo carbono.

O desenvolvimento econômico comum e o bem-estar das pessoas são tarefas compartilhadas para ambos os lados. Além da base profunda de cooperação pragmática e das estratégias de desenvolvimento altamente compatíveis, a China e o Brasil também têm conceitos diplomáticos bastante semelhantes. Assim, os países estão bem posicionados para superar barreiras geográficas e diferenças culturais, engajar-se em diálogos e intercâmbios francos e se tornar espinha dorsal de uma nova ordem internacional para um melhor desenvolvimento.

Aprimorar a cooperação estratégica e praticar o multilateralismo genuíno. A China e o Brasil sempre praticaram o multilateralismo genuíno e se opuseram tanto aos blocos políticos de pequenos círculos quanto ao pensamento unilateral que prioriza apenas o próprio país. Graças aos esforços conjuntos de ambos os países, os Brics alcançaram uma expansão histórica, e a UA (União Africana) entrou para o G20. Como a próxima cúpula do G20 será realizada este ano no Rio de Janeiro, a China e o Brasil devem colocar seus pontos fortes em ação nessa importante arena multilateral. Ou seja, devem fortalecer as sinergias e a coordenação, promover o acoplamento de estratégias de desenvolvimento, melhorar os mecanismos de cooperação em políticas macroeconômicas, cooperar para o avanço da reforma da governança econômica global e, em conjunto, impulsionar a multipolaridade do mundo no caminho da igualdade e da ordem.

Fortalecer o Sul Global e promover a governança global baseada em consulta ampla, esforços conjuntos e benefícios compartilhados. A lei da selva não é a regra para a coexistência humana. A imposição de forças e a hegemonia não são doutrinas benéficas para a paz da humanidade. O jogo do vencedor leva tudo e de soma zero não são caminhos para o desenvolvimento humano. Os rumos do mundo não devem ser ditados por alguns poucos países poderosos; ao contrário, as regras internacionais definidas através de negócios comuns, a ordem global de construção comum e o compartilhamento dos frutos do desenvolvimento constituem o caminho correto.

Como um conjunto de países de mercados emergentes e em desenvolvimento, a participação do Sul Global na economia mundial responde por mais de 40%, redesenhando profundamente o mapa da economia mundial, aumentando continuamente a voz e a representação dos países em desenvolvimento nos assuntos globais e contribuindo para uma estrutura de governança global mais eficiente e equilibrada. A China e o Brasil, como membros importantes da família do Sul Global, estão bem posicionados para desempenhar um importante papel no avanço da multipolaridade mundial e na democratização das relações internacionais, bem como para forjar um consenso sobre a governança global, contra o hegemonismo e o autocentramento ocidental.

Manter a paz mundial e promover a construção de um novo tipo de relações internacionais. Em um contexto internacional de turbulência e mudança, a China e o Brasil sempre foram os guardiões da paz e estabilidade mundial. Diante da crise ucraniana, do conflito israelo-palestino, da escalada das tensões no Mar Vermelho e de outros focos de conflito, ambos os países agiram com dedicação e responsabilidade em ocasiões bilaterais e multilaterais, ao mesmo tempo que responderam prontamente à mesa e correram contra o tempo no sentido de “promover o diálogo, conseguir cessar-fogo e a paz “. Dissemos resolutamente “não” à escolha de lados e ao fornecimento de armas para as partes em conflito; assim, evitamos que os países em desenvolvimento fossem vítimas do jogo dos grandes países.

Da mesma forma, rompemos com os conceitos e teorias obsoletas, como a mentalidade da Guerra Fria, a mentalidade da hegemonia e a teoria do choque de civilizações. Inauguramos um novo caminho nas interações entre os países, que é o do diálogo em vez do confronto, da parceria em vez da aliança, o qual proporcionou uma alternativa para as relações entre os países. Assim, demos as mãos para impulsionar a construção de um novo tipo de relações internacionais, que seja pautado por respeito mútuo, equidade, justiça, cooperação e situações de ganho mútuo.

Se contarmos com a sabedoria de todos, podemos conquistar qualquer objetivo; se usarmos a força de todos, podemos fazer qualquer coisa. Trata-se de um antigo ditado chinês. Com um sentido parecido, os brasileiros costumam dizer: “A união faz a força”. Diante da caótica situação internacional, a China e o Brasil compartilham uma ampla gama de interesses e responsabilidades comuns de desenvolvimento.

Enquanto países emergentes e independentes, a China e o Brasil não devem apenas fazer um bom trabalho no que tange a seus próprios assuntos, mas fortalecer também a unidade e a cooperação, ancoradas em um objetivo comum. Ambos devem demonstrar o papel de um grande país e, em conjunto, enviar uma forte mensagem de unidade e autoaperfeiçoamento, desenvolvimento comum e trabalho conjunto, para promover a construção de uma comunidade com futuro compartilhado entre a China e o Brasil e uma comunidade com futuro compartilhado para a humanidade, construindo assim um mundo melhor.

  • benefício do assinante

    Você tem 7 acessos por dia para dar de presente. Qualquer pessoa que não é assinante poderá ler.

    benefício do assinante

    Assinantes podem liberar 7 acessos por dia para conteúdos da Folha.

    Já é assinante? Faça seu login ASSINE A FOLHA

    • Copiar link
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

  • Ásia
  • China
  • diplomacia brasileira
  • Itamaraty

sua assinatura pode valer ainda mais

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha?Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui).Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia.A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

sua assinatura vale muito

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE POR R$ 1,90 NO 1º MÊS

  • Envie sua notícia
  • Erramos?

Endereço da página

  • https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2024/05/china-e-brasil-uma-parceria-voltada-para-um-futuro-compartilhado-e-um-mundo-melhor.shtml
Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Termos e condições Todos os comentários Comente Comentar é exclusividade para assinantes.
Assine a Folha por R$ 1,90 no 1º mês
Compartilhar

  • Facebook
  • Twitter

Responda Denuncie