academia apostas

academia apostas – cxne39.com Atualizado diariamente com notícias brasileiras, notícias esportivas, informações sobre cassinos, jogos de azar e dicas para ganhar dinheiro

apostas

educação


Descrição de chapéu Todas Vestibular no meio do ano dia das mães Com filhos já criados, mulheres 50+ vão atrás do diploma superior Contato com colegas mais jovens gera desafios, e universidades devem se adaptar, diz pesquisadora
  • benefício do assinante

    Você tem 7 acessos por dia para dar de presente. Qualquer pessoa que não é assinante poderá ler.

    benefício do assinante

    Assinantes podem liberar 7 acessos por dia para conteúdos da Folha.

    Já é assinante? Faça seu login ASSINE A FOLHA

    • Copiar link
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

11.mai.2024 às 23h00

  • Ouvir o texto

Paola Ferreira Rosa São Paulo

Impossibilitadas de estudar durante a juventude e a maternidade, mulheres com mais de 50 anos têm ingressado na universidade depois de seus filhos se tornarem adultos e, em alguns casos, se formarem no ensino superior. Com as demandas reduzidas, elas decidem viver a própria graduação.

“Com as reservas de vagas para alunos de baixa renda ou de escola pública, essas pessoas passam a ter condições de ingressar na universidade”, diz Graziele Aline Zonta, doutora em psicologia pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Ela estudou a vivência universitária de estudantes com mais de 40 anos.

Agente de inclusão em uma escola infantil e estudante de serviço social pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), Nadilene Maria da Silva, 54, sempre gostou de estudar, mas aos 13 anos foi trabalhar como empregada doméstica e a escola se tornou um plano fora de cogitação.

“Pelo que eu estudo hoje em dia, tenho consciência de que o que vivi foi trabalho análogo à escravidão. Fui enviada para uma casa de família onde eu não podia estudar e só saia uma vez por por mês, para ir em casa”, afirma.

Aos 17, ela engravidou de seu primeiro filho e pouco tempo depois ficou viúva. Com outro companheiro teve uma menina e mais um menino. Eles têm hoje 36, 34 e 32 anos, respectivamente. Em outro relacionamento, teve um casal de gêmeos, hoje com 7 anos.

“A prioridade eram eles e os estudos deles. Quando cresceram, cada um conquistou sua casa, casou. Hoje todos têm uma profissão, e eu sinto orgulho disso. Então falei: ‘Agora é minha vez’”, diz.

Embora decidida, Nadilene precisou negociar com o pai dos mais novos o cuidado das crianças enquanto estuda. A aprovação no curso também não foi fácil. Cobradora de ônibus e com pouco tempo para se preparar, ela prestou o Enem três vezes sem bons resultados, até ser aprovada na quarta tentativa.

Graziele conta que, na maioria dos casos, estudar com colegas muito mais jovens gera desafios.

Segundo ela, no contexto de um trabalho acadêmico, por exemplo, estudantes mais velhos tendem a preferir se encontrar pessoalmente para as discussões e a pesquisar por meio dos livros da biblioteca. Já os mais jovens costumam preferir se comunicar por mensagem e pesquisar online.

Tais desencontros podem levar a preconceitos como o etarismo. “Eu ouço muito: ‘Para que velha fazendo faculdade?'”, conta Nadilene.

“No primeiro período, sofri rejeição pela minha idade. Depois fui quebrando esse preconceito com o meu trabalho, meu esforço e minha dedicação em sala de aula.”

Já Josilene Nascimento Silva, 59, que se formou no curso de psicologia em 2022, diz não ter enfrentado preconceito dos alunos mais jovens. Os que a excluíam tinham entre 30 e 40 anos de idade.

“Até com pessoas que tinham diferença de um ano para minha idade, eu sentia uma certa dificuldade na hora de fazer grupo. Já as meninas mais novas me convidavam e tenho amizade até hoje, quando o meu maior medo era que não me aceitassem.”

ic_save

ic_share

Leia Mais Ícone fechar

Voltar

Voltar

Voltar

Compartilhe

Ela sonhava em trabalhar na área de saúde desde a infância e, em 2018, entrou na Faculdade Anhanguera, em São Paulo. Durante a juventude, a necessidade de ajudar os pais com as contas da casa foi a prioridade. Depois foi a vez dos cuidados com sua filha e sua mãe, que perdeu a visão nos últimos anos de vida.

“Depois que ela faleceu, começou a brotar novamente a ideia da faculdade, e eu queria voltar com tudo, porque a idade estava chegando e eu não ia conseguir atuar para sempre na área em que estava”, diz. Josilene trabalhava com prevenção a fraudes em um banco e sentia que a profissão tendia a ser ocupada por pessoas mais jovens.

Nessa época, sua única filha estava na faculdade havia dois anos. Foi ela quem deu à mãe dicas sobre a redação do Enem e como realizar a prova.

Para Graziele, as políticas públicas que contribuíram para o acesso dessas mães à faculdade devem ser acompanhadas por iniciativas de inclusão ao longo do curso.

  • benefício do assinante

    Você tem 7 acessos por dia para dar de presente. Qualquer pessoa que não é assinante poderá ler.

    benefício do assinante

    Assinantes podem liberar 7 acessos por dia para conteúdos da Folha.

    Já é assinante? Faça seu login ASSINE A FOLHA

    • Copiar link
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

  • dia das mães
  • Educação
  • etarismo
  • Idoso
  • Maternidade
  • trabalho escravo
  • universidade

sua assinatura pode valer ainda mais

Você já conhece as vantagens de ser assinante da Folha?Além de ter acesso a reportagens e colunas, você conta com newsletters exclusivas (conheça aqui).Também pode baixar nosso aplicativo gratuito na Apple Store ou na Google Play para receber alertas das principais notícias do dia.A sua assinatura nos ajuda a fazer um jornalismo independente e de qualidade. Obrigado!

sua assinatura vale muito

Mais de 180 reportagens e análises publicadas a cada dia. Um time com mais de 200 colunistas e blogueiros. Um jornalismo profissional que fiscaliza o poder público, veicula notícias proveitosas e inspiradoras, faz contraponto à intolerância das redes sociais e traça uma linha clara entre verdade e mentira. Quanto custa ajudar a produzir esse conteúdo?

ASSINE POR R$ 1,90 NO 1º MÊS

  • Envie sua notícia
  • Erramos?

Endereço da página

  • https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2024/05/com-filhos-ja-criados-mulheres-50-vao-atras-do-diploma-superior.shtml
Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Termos e condições Todos os comentários Comente Comentar é exclusividade para assinantes.
Assine a Folha por R$ 1,90 no 1º mês
Compartilhar

  • Facebook
  • Twitter

Responda Denuncie